Sinta-se Em Casa

Entre. Puxe a cadeira. Estique as pernas. Tome um café, e vamos dialogar com a alma.



terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Mulheres: aprendam em silêncio?

Paulo era machista? Por que ele diz que as mulheres não deveriam falar na Igreja? Por que ele orienta as mulheres a que perguntem aos seus maridos em casa? (1 Co. 14;34-35; 1 Tm. 2.11-12).

O que está na "cabeça" de Paulo? 

O mais curioso é que quando fala assim ele defende a mulher. Defende a mulher? Como?

A mente de Paulo, como judeu, era do sacerdócio do homem a começar de casa, por isso, ele diz pra mulher perguntar em casa ao seu marido.

Quando entendemos a ideia de "perguntar em casa ao marido" aí podemos compreender o que significa: "...é vergonhoso pra mulher falar na Igreja..." (1 Co. 14.35b). 

Por que é vergonhoso? Do que ele está falando? É uma vergonha que os maridos não assumam seu papel como sacerdotes de casa. A vergonha, pra quem conhece o contexto, deveria ser primeiro dos homens que não assumem seu papel como sacerdotes. 

A questão não é quem manda. Tão pouco a questão é sobre superioridade. A questão é quem serve. Esta negligência dos homens expõe às mulheres, e as torna vulneráveis. 

A Teologia Paulina traz a perspectiva do serviço e da responsabilidade a partir de uma liderança masculina que serve a mulher. O homem precisa assumir a responsabilidade do sacerdócio. Ele é o maior servo dentro de casa. Maior porque é o primeiro a servir, não o primeiro a mandar.

A responsabilidade primeira do discipulado é do marido, e do pai. A liderança dele é pra servir, é pra proteger a mulher. 

O homem que assume o seu papel como servo-sacerdote, tendo Jesus como modelo, ele protege sua esposa, dela cuida, e a alimenta (Ef. 5.25-29).

Paulo era machista? Paulo era a favor da saúde plena da mulher e da Igreja. Ele compara as duas como quem precisa de cuidados. Ele sabia que mulheres assumindo responsabilidade de homem era um desvio do propósito da Criação. 

Se atendêssemos as suas orientações nós teríamos mais "homens de verdade", menos "mulheres insatisfeitas" e muito mais "mulheres felizes". 

Nenhum comentário:

Postar um comentário