Sinta-se Em Casa

Entre. Puxe a cadeira. Estique as pernas. Tome um café, e vamos dialogar com a alma.



quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Fomos, Somos e Seremos Salvos

A salvação de Deus para o homem é eterna. Sempre existiu desde a eternidade, se manifesta na história e está reservada para os dias vindouros.
“FOMOS” salvos antes que houvesse mundo: Porque Deus nos escolheu nele antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis em sua presença.” (Efésios 1:4); “Nele fomos também escolhidos, tendo sido predestinados conforme o plano daquele que faz todas as coisas segundo o propósito da sua vontade,” (Ef. 1:11); “Ou vocês não sabem que todos nós, que fomos batizados em Cristo Jesus, fomos batizados em sua morte?” (Rm. 6:3)
“SOMOS” salvos hoje: ...Cremos que somos salvos pela graça de nosso Senhor Jesus, assim como eles também". (At. 15:11); “Pois a mensagem da cruz é loucura para os que estão perecendo, mas para nós, que estamos sendo salvos, é o poder de Deus.” (1 Co. 1:18); “...porque para Deus somos o aroma de Cristo entre os que estão sendo salvos e os que estão perecendo.” (2 Co. 2:15); “Nós, porém, não somos dos que retrocedem e são destruídos, mas dos que crêem e são salvos.” (Hb. 10:39)
“SEREMOS” salvos ainda, plenamente: Como agora fomos justificados por seu sangue, muito mais ainda seremos salvos da ira de Deus por meio dele!” (Rm. 5:9); “Se quando éramos inimigos de Deus fomos reconciliados com ele mediante a morte de seu Filho, quanto mais agora, tendo sido reconciliados, seremos salvos por sua vida!” (Rm. 5:10); “...num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta. Pois a trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis e nós seremos transformados.” (1 Co. 15:52)
“Fomos, somos e seremos” salvos pode muito bem ser vistos num só versículo: “Pois nessa esperança fomos salvos. Mas, esperança que se vê não é esperança. Quem espera por aquilo que está vendo?” (Rm. 8:24) “FOMOS”: “Pois nessa esperança fomos salvos...”, “SOMOS”: “...Quem espera por aquilo que está vendo?”, “SEREMOS”: “...Mas, esperança que se vê não é esperança...”


A Vida Abundante e O Chamado Pra Morrer

Jesus prometeu "vida em abundância" (Jo. 10.10), e ao mesmo tempo nos convoca para morte: "Digo-lhes verdadeiramente que, se o grão de trigo não cair na terra e não morrer, continuará ele só. Mas se morrer, dará muito fruto." (Jo. 12.24).


O "grão de trigo" precisa morrer pra viver. Eis a aparente contradição entre a vida abundante e o chamado pra morrer.

A própria vida de Jesus foi uma demonstração desse paradoxo. Ele em toda a sua vida foi uma manifestação graciosa de vida na morte. Sempre foi perseguido pra morte desde quando era bebê, aliás antes mesmo de nascer, mas em toda a sua vida ministrou vida, e mesmo na morte.

Como vai o seu chamado pra uma vida abundante? Você tem morrido pra viver? Tem sido deitado na terra pra frutificar?



Não Pecar Pode Trazer Sensação de Perda?

A sensação de perda está entre as estratégias mais enganosas contra o pecado. Diria: "estratégias de Satanás", mas é a própria carne - a vontade pecaminosa - que tenta nos convencer de que estamos perdendo.

Quando você vence e desfruta as bênçãos da obediência fica claro que valeu muito a pena não pecar.

O engano sutil, que aliás faz parte da tentação, é nos trazer a sensação de que não estamos aproveitando bem a vida. 

Esse engano se torna ainda mais agudo quando alguém pensa que não seria justo a vida passar sem se "provar" certas oportunidades.

Ainda mais grave as coisas ficam se você achar que é mais triste por não cometer essas vontades.

Pode ficar pior ainda? Pode. Tudo piora muito quando acha que Deus não deveria proibir algumas coisas. E então a sensação de que não tem muito sentido deixar de fazê-las. Por quê? Por quê? Por quê?

Em que nível você se encontra? Apenas vontade de pecar? Sensação de perda por não estar pecando? Sensação de que não está aproveitando o "melhor" da vida? Já julga injusto não poder...? Está triste e abatido por não poder...? Acha que Deus não precisaria agir assim?

Acorde! Recobre o bom senso! Creia que Deus é bom em não permitir algumas coisas. Lute para fazer a vontade dele. Alegre-se na recompensa que está por vir.


quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

E Quando Não Se Quer Ser Guardado?

Como você poderia pedir socorro se não quer ser socorrido? Eis o dilema conflituoso entre a carne e o espírito.

Tem coisa que você repulsa automaticamente, há outras que gostaria de fazer não fossem elas pecaminosas. Aliás, o homem natural tem vontades e gostaria de fazer mesmo sendo essas coisas proibidas.

O que fazer frente a vontade de não ser socorrido? O que fazer quando Deus é interpretado como um "estraga prazeres"?

Agir por fé.

Agir por fé diante de certas inclinações seria confiar que há prazer maior no fruto da obediência. 

Agir por fé também seria olhar pra Deus e descansar no cuidado dele, como um Pai que dá o melhor aos seus filhos.

Enfim, quem conhece o Deus que serve, o Criador, sabe que ele não é  opressor, mas sim é abençoador.

Que tal se alegrar por não poder fazer algumas coisas?



terça-feira, 28 de janeiro de 2014

A Grande Troca Não é Ficção Jurídica

Você já fez "a Grande Troca"? Se puder responder quem você era e quem é hoje em Cristo, então já. Mas, vamos entender melhor com essa citação de John Piper em "Deus é o Evangelho":

"O Juiz declara que os pecadores culpados estão isentos de punição e são justos aos olhos dEle. A grande troca não é uma ficção jurídica, um fingimento arbitrário, um simples jogo de palavras da parte de Deus, e sim um realização de alto custo". (J. I. Packer) 

Piper completa: "A afirmação bíblica da "grande troca" é 2 Co. 5.21: "Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus". O que isso significa?  Ele completa: "Não somente os nossos pecados foram contados como sendo os pecados de Cristo, como também a justiça dEle é considerada nossa."

E então? Você já foi feito justiça de Deus? Não é "ficção jurídica". Custou o sangue do Justo pelos injustos.

Como? Olha que você é e se volte para quem precisa ser em Cristo, somente nEle, "o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo".


segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Como É Difícil Se Manter na Prioridade

"Pai como é difícil me manter na prioridade. Eu sei o que preciso fazer e quem devo ser, mas encontro muitos obstáculos. Como é difícil fazer o que precisa ser feito."

Hoje eu comecei o meu tempo de oração com essa confissão. E então parei um pouco pra pensar porque é tão difícil nos manter na prioridade.

É difícil porque existe uma luta intrinsecamente existencial: a morte se opõe a vida o tempo todo. É como se a morte fosse um "mal-necessário". E a vida então se manifesta mais forte nas ameaças da morte. A princípio é natural.

Há também uma questão filosoficamente espiritual: a luta entre o bem e o mal. Tudo o que é essencialmente manifestação do bem terá de enfrentar a oposição do mal. Jesus sabia disso e nos ensinou a orar: "...livra-nos do mal..." (Mt. 6.13b). Também é espiritual.

A dificuldade e os empecilhos diante das nossas prioridades são coisas que fazem parte desse viver. 

O enfrentamento e a superação é que nos deixam mais fortes para seguir vencendo, sem murmuração.

E mais: sem achar que só nós passamos por certas dificuldades, e sem muito menos achar que a dificuldade é sinônimo de maldição ou que todas as coisas de Deus só fluem facilmente.


domingo, 26 de janeiro de 2014

O Medo Não "Segura" Ninguém

É horrível não fazer alguma coisa porque se está com medo. Filhos com medo dos pais, esposas com medo dos maridos, ovelhas com medo dos pastores. Essa é a "lógica do medo". 

Mas, pode acontecer também ao contrário: pais com medo de alguns filhos, alguns maridos com medo de suas esposas e pastores com medo de algumas ovelhas.


Qual o melhor caminho? O caminho sobremodo excelente é o amor. Obedecer por amor. Fazer porque se gosta. Submeter-se porque se tem consideração... é outra história. É suave e agradável. 


Assim também acontece em relação ao Senhor. A espiritualidade cultivada na base do amor é voluntária e prazerosa; não é religiosamente engessada e sufocante.


"No amor não há medo; pelo contrário o perfeito amor expulsa o medo, porque o medo supõe castigo. Aquele que tem medo não está aperfeiçoado no amor." (1 Jo. 4.18)




sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Salvação e Obras Andam Juntas

Não quero entrar aqui na "discussão milenar" entre a teologia paulina da salvação pela fé somente, e a teologia de Tiago sobre a importância das obras na salvação.

O que me chamou atenção em Apocalipse agora pouco é que salvação e obras são colocados como questões inseparáveis nos fins dos tempos. 


A princípio parece que a salvação eterna depende das obras, mas o que ocorre é que os salvos vivem como salvos e os não-salvos vivem vivem como não-salvos:


"Vi também os mortos, grandes e pequenos, de pé diante do trono, e livros foram abertos. Outro livro foi aberto, o livro da vida. Os mortos foram julgados de acordo com o que tinham feito, segundo o que estava registrado nos livros." (Apocalipse 20:12)


"Nela jamais entrará algo impuro, nem ninguém que pratique o que é vergonhoso ou enganoso, mas unicamente aqueles cujos nomes estão escritos no livro da vida do Cordeiro." (Apocalipse 21:27)


Qual o peso das obras no final? As nossas obras serão consideradas no "último dia". Elas não vão salvar ou condenar, mas servirão de testemunhas da fé que confessamos.



quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Contratos Baseados na Vaidade

O que pode ser um "contrato baseado na vaidade"? 

Pode ser um casamento? Se ele for motivado pela estética, por sexo, por dinheiro, por realização de um sonho exclusivamente pessoal, podemos entender ser esse casamento um "contrato de vaidade". 


E o emprego? Se a questão-chave for o salário, o "status quo" e não a vocação não passa de um "contrato de vaidade".


Até um ministério na Igreja pode ser um "contrato de vaidade". Se a base for o prestígio entre os homens...


Uma amizade também? Até com os filhos? Claro. Qual é o interesse? Se for ser servido e não servir, não passa de "vaidade de vaidades".


Aliás, a vida toda em seus múltiplos relacionamentos pode não passar de "contratos de vaidade". 


Qual a implicação?


Ora essa! Tudo o que é construído tendo com base a vaidade não pode se sustentar. Fica vulnerável. Pode ruir a qualquer momento.


Somente permanece sem aparências, e com qualidade, todo "contrato" que tem como base a Rocha, Jesus.


"Desde os confins da terra eu clamo a ti, com o coração abatido; põe-me à salvo na rocha mais alta do que eu." (Sl. 61.2)


"Mas o Senhor é a minha torre segura; o meu Deus é a rocha em que encontro refúgio." (Sl. 94.22)



terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Qual o Seu Chamado?

Qual é o seu chamado?

Existe um chamado específico. Deus aponta o dedo e você simplesmente obedece. Tem de ser no tempo dele, no lugar dele e na hora dele.

Acredito também existir um "chamado-aberto". Ele pergunta: "A quem enviarei?" E você levanta o dedo, e se dispõe. Mas se não se dispor outros o farão e ele não deixará de fazer o que já determinou fazer. Ele pode usar outros, e depois você resolve com Ele.

Como assim? Nos dois tipos de chamado Deus aponta o dedo e você deve levantar o seu. Mas a um chamado inegociável, para um lugar específico. E também há outro chamado. Não importa onde. Deus chama. E você diz: "Eis-me aqui, envia-me a mim." (Is. 6.8b)

E então? Qual é o chamado de Deus pra todos? Ele pode contar com você também?

E qual é o seu chamado pra você especialmente? Ele só quer contar com você, porque é você que ele forjou pra essa missão.

Diga sim e sim. Vá onde muitos podem ir. Vá onde só você deve ir.


A Noiva Vai Sim Ficar Pronta!

Como vai a Igreja Brasileira? 

Gosto de pensar nela a partir da História da Igreja onde aconteceu a Reforma Protestante. A Igreja na Europa se tornou liberal.

O mesmo aconteceu com a América de onde recebemos os esforços missionários significativos.

Lá e lá a Igreja era séria e se corrompeu.

E aqui? Qual a nossa esperança se a Igreja já não é séria?

No entanto, precisamos confiar no cuidado do Senhor da Igreja. Ele é quem prepara o remanescente fiel. Ele é quem purifica a Igreja que é dEle. O Senhor Jesus é quem trabalha a sua Igreja e faz dela um povo sério e comprometido com a esperança por vir.

Quando olho pra Ele e pra gente séria cai bem essas palavras: "Regozijemo-nos! Vamos alegrar-nos e dar-lhe glória! Pois chegou a hora do casamento do Cordeiro, e a sua noiva já se aprontou. Para vestir-se, foi-lhe dado linho fino, brilhante puro". (Apoc. 19.7-8)

A Noiva vai sim ficar pronta, um dia. E já está se aprontando!


segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Uma Simples Re-leitura do Salmo 1º

"Os ímpios até podem vir à congregação dos justos, mas se não se converterem eles não vão conseguir permanecer.

E não conseguem porque são como palha espalhada pelo vento, os quais também espalham maus conselhos, porque andam nos caminhos dos que gostam de pecar e de tirar sarro de coisas sérias.

Os justos só são diferentes porque estão enraizados na Palavra, e ela é suficiente para firmá-los num caminho que dá frutos."

Apenas um parágrafo para os justos? Não. Todos podem ser sobre eles, porque o último parágrafo só se justifica porque eles fazem o oposto dos ímpios. Poderia ser re-escrito assim também:

"Os justos permanecem na congregação do Senhor porque um dia se converteram mesmo. Eles pararam de aceitar o conselho dos ímpios e passaram a escutar a Palavra da Verdade. Esta Palavra os tirou do caminho dos pecadores e da roda dos zombadores.

Porque os justos estão na Palavra eles criaram raízes e dão frutos. Palha não são, apenas espalham a glória de Deus."


sábado, 18 de janeiro de 2014

Gente Entrei em Igapós Cheios de Jacarés!

Não tem como não compartilhar essas vivências e pensamentos. Vou aproveitar essa madrugada no Aeroporto de Manaus pra dizer mais que uma experiência num Igapó, mas o mundo de significados que ela traz.

Antes de tudo é bom deixar claro que um Igapó é pior que um Igarapé. Também entramos num Igarapé: aquele desvio ou entrada de água às margens do rio.

O Igapó é a própria floresta, já inundada pelas cheias. Foi aí que entramos noite adentro. Mata fechada mesmo. Para quê?

Essa noite aceitei o convite de missionário e de um indígena e saímos para casar jacaré.

Qual o significado de caçar jacaré numa viagem missionária e sem nunca ter pensado nessa possibilidade?

Há um significado antropológico de aculturação com implicações ministeriais: mais peso na fala; fato que percebi ao dar aula, na mesma manhã no Seminário Flutuante.

Houve também um tratamento de choque frente a muitos medos e com implicações espirituais: atitude de adoração pela Criação e o domínio que ganhamos sobre ela.

Enfim, as nossas vivências não são casuais. Deus sempre nos ensina e nos trata.


sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Dois Fenômenos Incríveis!

Foi assim... Dormi num barco e todos os dias precisávamos soltar e puxar as cordas de travessa da proa e da popa, pois iam se afrouxando por causa do aumento do nível da água.

Estava chovendo todos o dias, e muito. Pensei: só se justifica pelas chuvas. Daí uma missionária da região me falou: “Não é por causa da chuva em primeiro lugar. A chuva pouco influencia. Mesmo que não chovesse, haveria as cheias. Sabe por quê? Porque os rios de Translação enchem de 6 em 6 meses e aqueles de Rotação enchem e voltam ao normal todos os dias, inclusive com a diferença de minutos para obedecer ao ano bissexto.

E acrescentou: “Muitos ribeirinhos ainda não acreditam que as enchentes são provocadas porque a terra muda de posição e provoca uma liberação muito maior de água nas nascentes.”

A outra experiência incrível da qual eu só havia ouvido falar foi de encontrar um veio de água embaixo da terra, antes de cavar é claro, com uma forquilha pontuda, flexível e não muito pequena. Vi e fiz. Posicionei a forquilha com a ponta pra cima, comecei a andar, e um “imã” foi entortando a ponta gradativamente para baixo, e ela – a ponta da forquilha – encontrou o  veio de água.

O que esses fenômenos lembram? Lembram que o Criador estabeleceu leis naturais contra as quais não adianta o homem tentar mudar. Outra boa lembrança é que as vivências permitem provar de uma sabedoria, que também é natural e vem de Deus – e ainda: o senso comum, quando não folclórico, pode ser tão sábio quanto a ciência.

Cabe encerrar com um tributo a sabedoria: “O Senhor me criou como o princípio de seu caminho, antes das suas obras mais antigas; fui formada desde a eternidade, desde o princípio, antes de existir a terra. Nasci quando não havia abismos, quando não existiam fontes de águas; antes de serem estabelecidos os montes e de existirem colinas eu nasci. Ele ainda não havia feito a terra, nem os campos, nem o pó com o qual formou o mundo. Quando ele estabeleceu os céus, estava eu; quando traçou o horizonte sobre a superfície do abismo, quando colocou as nuvens em cima e estabeleceu as fontes do abismo, quando determinou as fronteiras do mar para que as águas não violassem a sua ordem, quando marcou os limites dos alicerces da terra, eu estava ao seu lado, e era o seu arquiteto; dia a dia eu era o seu prazer e me alegrava continuamente com a sua presença. Eu me alegrava com o mundo que ele criou, e a humanidade me dava alegria.” (Pr. 8.22-31)

Às margens do rio Mari-Mari (AM)


Totalmente Isolado

Aqui estou às margens do Rio Mari-Mari. Esse é o lugar mais isolado onde já pisei. Não tem nenhuma oportunidade de contato com a minha família. A única possibilidade é pegar um barquinho e ir para uma outra comunidade.

Qual a implicação desse isolamento? Dependência total. Total mesmo. Ou eu confio e espero na bondade e cuidado do Senhor sobre os meus, ou eu me desespero e vou pra “Nínive” e assumo o “controle/descontrole”.

Uma pitada a mais nesse isolamento? Hoje é um dia muito importante para o nosso filho. Ele terá uma resposta tão esperada hoje.

A Igreja também traz um momento interessante de reformas e o que de mais importante acontece hoje é uma cirurgia delicada de uma querida irmã.

Sem contar a preocupação natural de cada dia. Como está a minha querida esposa e as crianças? E a saúde? Algum imprevisto? E as coisas que eu costumo fazer em casa?

O que acontece na prática? Acontece uma “escola-intensa-de-dependência-no-Senhor”. Precisamos passar por momentos de total incapacidade de fazer e ter somente de esperar.

Do Rio Mari-Mari aos 13.01.14.


De Qual Filho Gosto Mais?

Eu gosto mais do Murilo porque ele é o caçula. Eu gosto mais da Jamily porque ela é menininha. Eu gosto mais do Thales porque ele é o meu primogênito.

Fala se a gente não tem aquela coisa com o caçula? Fala se a gente não tem aquela coisa com a menininha? Fala se a gente não tem aquela coisa com o primeiro filho?

O que há de especial com o caçula? É o mais recente e ao mesmo tempo a despedida. Ele traz a última oportunidade de ter um bebê. A experiência pressupõe chance de menos erros e mais acertos.

O que há de especial com a menininha? Ela é delicada e precisa de carinho e proteção. E também traz a possibilidade de melhor compreender a sua esposa que é tão especial para o seu sogro. A menininha ensina você a ser um esposo mais atento à fragilidade da sua outra "menina".

E o que tem de especial o primogênito? Foi o seu primeiro encanto. A sua vinda colocou um marco entre o antes e o depois de ser pai. Ele traz um peso de esperança.

Quem poderia dizer de qual filho eu gosto mais? 


Experiência "Futurista" no Amazônia?

Estou num barco e em Apocalipse 15 também. Daqui de cima do barco - passando por comunidades ribeirinhas, e daqui de cima de Apocalipse 15 – olhando para a realidade que me cerca, pude considerar que o futuro já chegou.

Ainda que o futuro não seja pleno, já podemos ver muito dele.

Apocalipse 15 começa com aqueles que venceram a besta e com os anjos que trazem as últimas pragas para que se complete a ira de Deus. E termina também com a justa  ira de Deus.

Em meio a tanta ira um cântico da maravilhosa graça: “Grandes e maravilhosas são as tuas obras...” Sim eu estou navegando sobre elas.

“Justos e verdadeiros são os teus caminhos, ó Rei das Nações. Quem não te temerá, ó Senhor? Quem não glorificará teu nome?” Aleluia porque o que estamos indo fazer promove o temor do Senhor e a glória ao seu nome.

“Todas as nações virão à tua presença e te adorarão, pois os teus atos de justiça se tornaram manifestos.” É o Evangelho que pregamos que torna os atos de justiça de Deus conhecidos.

Então o futuro já chegou aqui também, na melhor perspectiva que poderia trazê-lo.


Do Rio Urariá aos 12.01.14.


sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Importa a Glória de Deus? Até Que Ponto?

Hoje eu me retirei pra me encontrar comigo mesmo. Confesso que não fui para um tempo de oração. Queria apenas descansar a mente, sem precisar produzir alguma coisa, sem o dever de ter que... alguma coisa.

E aí me veio... a glória de Deus enquanto pensamento e não enquanto Glória necessariamente. Depois eu entendi que ela se manifestou me confrontando.

Pensei: quem está preocupado com a Glória de Deus? Há muitos que testemunham que conquistas disso ou daquilo para a Glória de Deus. Penso ser uma boa intenção, mas questiono a ausência de reconhecimento dessa Glória quando acontecem coisas que normalmente não se ouve em testemunhos públicos porque as lágrimas e a desesperança não deixam.

Normalmente, ninguém diz: "Estou doente para a Glória de Deus!", "Estou desempregado e passando algumas necessidades, mas tenho contemplado a Glória de Deus.", "Sei que a morte de meu... é para glorificar a Deus."

Hoje a Glória de Deus passou a ser sinônimo de bênçãos pessoais conquistadas.

Sabe o que foi mais radical naquela reflexão involuntária?

Quem realmente está preocupado com a Glória de Deus e vive completamente pra sua Glória nada teme. Não teme o futuro, se vai morrer ou não, se alguém vai perder, se vai conquistar...

Se tudo é para a Glória de Deus deveríamos estar abertos e desejosos para ela promovê-la ainda que seja "contra nós".

A verdade é que nos alegramos com a nossa própria glória e choramos quando a Glória de Deus se manifesta contra a nossa glória.

Os "santos" que marcaram a história, foram muito além porque sabiam viver para a Glória de Deus em qualquer circunstância. "Ensina-nos Senhor!" 

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

O Pobre Incomoda?

Quem se preocupa com os pobres? Aliás deveríamos nos preocupar com os pobres ou com a nossa pobreza de espírito de servo?

Qual a realidade que mais assusta? A pobreza do miseráveis ou a nossa miséria de socorro? A mão pedinte ou os nossos braços cruzados?

O mundo tem falado bastante sobre a pobreza. Muitas são as mensagens com fotos impactantes. Muitas também são as críticas aos ricos que "jogam" o seu dinheiro fora.

O que temos feito com o pouco que temos?

Fotos no facebook não resolvem o problema da fome. Bonito não é mostrar. Fazer o que eu estou fazendo - escrevendo - não garante prato a ninguém.

Nossas estruturas eclesiásticas e familiares são extremamente egoístas. Qual o espaço que o pobre, mas pobre mesmo, tem em minha casa?

E quando alguém deseja ajudar? Somente a distância. É como se pobre fosse leproso. É como se fosse sinônimo de sujeira, fedor e burrice.

Não queremos comprometimento. Dar uns trocados, quem sabe uma cesta básica e até um projeto como mantenedor. Mas, abraçar o pobre...

Queremos combater a pobreza porque não queremos o pobre nos incomodando. Jesus agiu assim?

Reflexão baseada num artigo de Bráulia Ribeiro, na revista Ultimado (346) e num Globo Repórter de Dezembro 2013 sobre gente que faz a diferença.

Fidelidade Condicional?

Agora pouco questionei um pouco a utilidade prática do Livro de Apocalipse e a medida que lia, com dificuldade, sobre as bestas dos fins dos tempos, tive a bênção de observar o capítulo 13.10: "Se alguém há de ir para o cativeiro, para o cativeiro irá. Se alguém há de ser morto à espada, morto à espada haverá de ser. Aqui estão a perseverança e a fidelidade dos santos."

Perseverar na fidelidade e ser fiel na perseverança não são bênçãos condicionais.

A infidelidade e a desistência não podem ser justificadas. Todo aquele que não assume a honra a sua aliança deve assumir sozinho o seu pecado.

Mesmo que a outra parte não cumpra a própria parte, perseverança e fidelidade são bençãos que se manifestam mesmo no cativeiro e ao fio da espada.

O que aquele versículo acima tem de prático?

Que a fidelidade e a perseverança não são condicionais - não são "climáticas"; que elas se manifestam em provas extremas, e que portanto, ninguém deve ter desculpas pra desonrar.

As provas não devem ser olhadas como desculpas para quebrar uma aliança, mas devem ser vistas como oportunidade - em todo relacionamento.

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

FACEBOOK: Covil dos Covardes?

Hoje um amigo criticou a postura de alguns conhecidos dele no facebook, chamando-o de covil dos covardes.

Covardes - não do medo, mas porque não resolvem decentemente o que precisa ser resolvido.

Covil dos covardes porque se diz: "Tem gente que..." para afrontar, denegrir, prejudicar...

O fato de não se usar nomes específicos permite flertar com a imaginação de quem não está diretamente envolvido, e afronta a quem se quer. E tudo piora quando as "indiretas-diretas" são retribuídas.

"Gentinha miserável de espírito". Há coisas que precisam ser resolvidas olho no olho, e com a humildade de Cristo, senão vira coisa pior ainda, e até baixaria.

Pior ainda quando isso acontece no púlpito. Profetas covardes que dizem em público o que deveria ser dito pessoalmente, e que dizem pessoalmente o que deveriam ser dito a todos.

O mundo precisa de gente transparente e que sabe resolver as coisas na humildade de Cristo.

Que você que lê agora seja encontrado nessa condição! Jogar indireta é uma coisa muita feia, e além do que não resolve.


Unção de Conquista?

Hoje o foco se tornou o sucesso financeiro, a conquista de bens materiais. Até a Igreja que deveria falar sobre a promessa do Céu, passou a falar mais sobre as supostas promessas da terra.

A Igreja hoje vive como se as promessas do Evangelho estivessem presas a promessa da Terra à Israel. A "terra que mana leite e mel" para Israel se tornou o céu da Igreja a ser conquistado aqui e agora.

Esse espírito de conquista, em nome de uma "unção de conquista", é diabólico. Quem lê o Evangelho de Jesus sabe que é.

É diabólico porque não respeita a simplicidade de Jesus, o Mestre a quem os discípulos foram chamados a imitar.

É diabólico porque assim como na tentação do deserto quer fazer os discípulos de Jesus donos desse mundo.

É diabólico sim porque desconsidera a escatologia do reino de Jesus quando num dia vindouro, o "sétimo anjo" tocará a sua trombeta e as "vozes nos céus" vão dizer: "O reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reina para sempre". (Ap. 11.15)

É diabólico porque cega frente as necessidades da obra missionária e tende a não repartir o pão como prioridade. Quanto mais se conquista mais resto se dá.

Então não se pode conquistar? Se pode desde que não sob os laços acima e como propósito do Senhor e não projeto egoísta, e com um comprometimento sério de desapego pessoal e de que o senhorio é de Jesus.

Mesmo assim "o ministério dos profetas adverte": "Quem muito tem, maior responsabilidade tem. Quem muito tem, mais peso tem. Quem muito tem, mais dificuldade pode ter". Quem tem sabe do que estou falando...

domingo, 5 de janeiro de 2014

Quando Se Reconhece Um Servo de Deus?

Vamos fugir do óbvio?

Já sabemos que o maior dentre os servos são aqueles que servem. E o melhor? Não o melhor em performance - nada de "controle de qualidade" em linha de produção.
Nada de pensar em quem mais serve.

O melhor servo, no olhar do Senhor, é aquele que não apenas trabalha, mas é aquele que perde o medo, se aproxima, conversa, abre o coração, sorri e chora junto, gosta de estar por perto.

Esse servo que se tornou amigo continua a ter perspectiva da vontade do Senhor não apenas no fazer, mas no ser - se parecer com Ele.

São esses que o Senhor Jesus chamou de amigo e não apenas servos (Jo. 15.15).

Esses servos-amigos não têm medo, sim temor. E o temor que têm não é de uma possível punição, mas de quem respeita porque ama.

E sabe o que mais? Quem busca acertar sob a tensão do medo, tende a errar mais porque não é livre - está inseguro.

E então? Você pode ser considerado servo-amigo ou apenas servo-servo?

 

sábado, 4 de janeiro de 2014

O que Deus Tem a Ver Com Limpeza?

Deus se agrada da limpeza porque Ele é Santo. E por ser Santo, faz parte de seu caráter a pureza, e quem é puro não se suja.

Sei que é óbvio até aqui, mas aplicamos toda essa santidade à nossa espiritualidade. Será?

A limitação é achar que espiritualidade é apenas algo abstrato, etéreo, metafísico. Nada disso!

A santidade de Deus requer limpeza, pois quando não havia saneamento básico, Ele ordenou que o seu povo andasse com um pedaço de madeira, pra enterrar as fezes, e também se lavar após uma polução noturna (Dt. 23.9-14).

Você entende que a nossa espiritualidade deve abraçar a nossa vida toda, inclusive a maneira como tratamos o nosso corpo e as nossas coisas?

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Levanta Daí!

Existem pessoas que estão morrendo. Vemos nos olhos delas que a vida, pra elas, não vale a pena.

O que fazer?

Encarar as doenças da alma. Médico e medicamentos podem ajudar.

Mais que isso! Gente assim precisa levantar do sofá e tornar a vida significativa e útil.

O problema que muitas estão numa situação que não podem fazê-lo sozinhas.

Então elas precisam de alguém, de você, pra estender as mãos. E desafía-las à vida!

E se você é quem precisa dessa pessoa? Vai lá fora agora e olha para o céu e veja que Deus amou você, que enviou o seu único Filho pra te dar vida, e vida que vale a pena.

Que tal levantar daí? Pra estender as mãos a alguém ou para o Céu.

 

Você é Especial; Não Mais Especial!

Você já ouviu que é especial? Já ouviu que Deus teceu você no ventre de sua mãe?

É verdade que ele nos teceu quando ainda informes e que ele nos ama de verdade. O Salmo 139 nos mostra isso.

Mas que coisa é essa de um ser especial demais?

Seria de acordo com o Evangelho eu me sentir tão, tão, tão especial que passo a me julgar melhor que o meu irmão?

Ultimamente tenho questionado esse sentimento alienante de que alguém é mais especial que outro. Deus nos amou igualmente.

O que pode tornar alguém mais especial é a atitude particular de cada um. Não foi assim com Daniel? Ele não foi o único personagem bíblico que recebeu as mesmas palavras ditas a Jesus? "Amado no qual a minha alma tem prazer".

Outros também se tornaram especiais porque viveram de maneira especial. Foi assim com Abraão, o pai da fé. Foi assim com Paulo. Foi assim com Neemias...

O que faz um sujeito inconstante e descomprometido ficar se sentido mais especial que os outros? Vai ficar frustrado.

É preciso acordar. Ter consciência de que é amado e ponto.


quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Um Riacho no Deserto

Fez um bem tão grande começar o ano ouvindo o Eterno, na "boca" do profeta Isaías. Ah, como fez bem enxergar um caminho no deserto e me jogar naquele rio onde tudo ainda parece seco.

"Não vos lembreis das coisas passadas, nem considereis as antigas. Eis que farei coisa nova, e agora sairá a luz; porventura não a sabereis? eis que porei um caminho no deserto, e rios no ermo." (Is. 43:18, 19)

Há coisas antigas que não devem ser consideradas, nem mesmo lembradas. Precisam ser como águas passadas.

Somente é possível essa "cura psico-temporal" quando o Senhor faz coisas novas em nossas vidas.

E quando Ele faz se abre estrada onde não se pode passar e se encontra água pra não morrer e até pra mergulhar.

Olha que mesmo que você abra caminhos, o vento vem e fecha tudo novamente com a mesma areia que foi tirada de lá. E mesmo que cave profundo não vai encontrar uma fonte.

O caminho no deserto bem como o rio no ermo, são obras dEle, somente dEle.

Que tal se humilhar aos pés do Eterno, o Soberano, e somente por Ele esperar?