Sinta-se Em Casa

Entre. Puxe a cadeira. Estique as pernas. Tome um café, e vamos dialogar com a alma.



quarta-feira, 31 de julho de 2013

O que Vc Semeia em Casa?

Hoje cedo a minha oração foi: "Senhor me mostra tudo o que em minha casa é semeadura para o mal no futuro. Mostra aquelas "coisinhas inofensivas" que achamos não ter problema, e talvez ninguém acharia também, mas que podem ser agressivas lá na frente."

Isso mesmo: há coisas que são "inofensivas" hoje. Amanhã podem ser gravemente nocivas. 

Se seu filho não vir você em oração e debruçado nas Escrituras está sendo prejudicado pela falta de uma memória desafiadora à espiritualidade.

Se a TV fica ligada o tempo todo, inclusive enquanto conversam, a mensagem é: as coisas são tão importantes quanto as pessoas.

Se eles não presenciam um gesto de carinho entre os pais como olharão para o relacionamento conjugal deles no futuro?

Enfim, qual o legado que você está deixando? A maior herança é o comportamento visto.

terça-feira, 30 de julho de 2013

O Pecado é Como Droga!

O pecado é droga por que destrói, mas não só. O pecado é como droga porque pode começar timidamente. Apenas na companhia com que nele está. 

De repente se experimenta. Desencadeia então um efeito dominó crescente: de um copo de cerveja para uma bebida misturada, de uma bebida para um cigarro de maconha. Nada disso faz mais efeito. Então vem a "farrinha na farinha" e daqui a pouco um "craque sem classe". 

E o pecado? O que parecia insuperável não tem mais força, se torna sem graça. Parece até que melhoramos. Engano! 

Um abismo chama outro e daí a necessidade de algo mais agressivo, um envolvimento mais fatal, um retorno mais impossível.

Cuidado! Jesus já disse: "Orai e vigiai para que não entreis em tentação!" (Mt. 26.41) E para quem já entrou: a "de-cisão" em sair rapidamente. "Amputar" o que te faz pecar.

Quando a Sensação é Menor que a Gravidade!

Você já pulou de algum lugar que pensou estar mais perto do chão? Talvez essa experiência possa ilustrar aquela sensação de a gravidade é menor do que pensamos. 

Os astronautas brincam com a gravidade, como se ela fosse menor do que realmente é.

A coisa é grave quando olhamos assim para o pecado. Confessamos ao Senhor, inclusive reconhecendo a sua gravidade, mas não sentimos como deveríamos sentir. A sensação é menor do que a gravidade (não da lei física gravitacional, mas da lei espiritual). Gravidade de coisa grave, acentuada, séria mesmo.

O que fazer quando a sensação é menor do que deveria?

Confessar ao Senhor não apenas o pecado cometido, mas com sinceridade, reconhecer que não está sentido a gravidade do que cometeu. 

Pecar é sério, não sentir a gravidade dele é um outro problema, também muito grave.

Só consegue atingir o arrependimento que se enoja do pecado tal como ele é, porque a confissão não é uma reza a ser repetida, mas decisão que tem cooperação de um sentimento. Sentimento de tristeza por causa do pecado. 

Como tem sido as suas confissões?

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Eu Recebi Um Ministério no Senhor! E Você?

"Cuide em cumprir o ministério que você recebeu no Senhor." (Cl. 4.17)

Achei interessante essa declaração primeiro porque o ministério é recebido "no Senhor". É nEle que recebemos o que recebemos. E só pode receber nEle quem nEle está (Jo. 15).

Quem dEle e nEle recebeu um ministério precisa ter consciência de que é preciso cumpri-lo: "Cuide em cumprir o ministério..."

Primeiro é saber qual é o ministério e a essa questão há ao menos duas outras implícitas: 1) Como deve ser realizado? 2) Onde deve ser realizado?

Tomo como exemplo quem recebeu o ministério de ensino. Ensinar é ensinar. Aqui há implicações de conhecimento, recursos, fidelidade etc. 

Como deve ser realizado? Em pequenos grupos? Sala de aula? Literatura? 

E onde? Onde você está plantado. Se Deus quiser que seja em outro lugar Ele mesmo nos levará. Não é preciso auto-promoção. Nem busca pessoal de oportunidades. E nem mesmo a preocupação se estamos no lugar certo. O lugar certo é onde estamos.

Conhecer as implicações do ministério nos ajuda a cumpri-lo melhor. 

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Boa Caminhada!

Numa caminhada rumo ao paraíso, a uma conquista tão sonhada, os primeiros passos são empolgantes. 

A uma certa distância começam a pesar as provas, as lutas, as pedras no meio do caminho. Elas ferem, desmotivam, desanimam.

Então você já passou do meio e vem um pensamento: não quero continuar. Voltar parece ser mais interessante.

Quando você pensa em desistir vê que retornar está mais longe e será mais difícil que terminar. 

Então parar por um tempo passa a ser uma opção. Parar por um tempo parece interessante, mas você vê que estagnar implicará atraso, muito atraso. 

Daí, você continua... Boa caminhada! 

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Viver Pra Fazer Morrer

Só conseguimos fazer morrer a nossa natureza terrena quando focamos o fazer viver. Quando o foco é o não nosso de cada dia, não conseguimos o sim de Deus pra nós (Cl. 3.1-17).

quarta-feira, 24 de julho de 2013

O QUE O DÍZIMO NÃO É!

O dízimo não é uma mensalidade de crediário. A mensalidade de crediário deve ser paga mesmo em lágrimas e de coração triste. E senão pagar... O SERASA ajuda.

Não gosto de olhar o dízimo a partir dessa metáfora justamente por causa de se ter que pagar mesmo que a vida esteja de qualquer jeito, e porque supõe uma dívida no Céu como se o dízimo fosse a Vida Cristã toda.

O dízimo não é um investimento na bolsa de valores. As ações da bolsa podem falhar, mas a bênção do Senhor não falha. É interessante pensar que o dízimo é um investimento seguro, mas não me agrada essa metáfora porque motiva a barganha.

O dízimo não é taxa única no Novo Testamento. O Novo Testamento vai além do dízimo. Ele requer uma mordomia plena. Ninguém vai prestar contas apenas dos 10%. Tudo é de Deus. Devemos administrar como bons despenseiros tudo o que Deus nos dá.

Quem olha para o dízimo assim tende a ter uma sensação de missão cumprida numa entrega exclusiva de um único ato.

O dízimo não é produto da Lei Mosaica. O Antigo Testamento mostra que o dízimo vem antes da Lei e vai além dela. Melquisedeque, um tipo de Cristo, recebe o dízimo de Abrãao. E mais tarde Jesus disse que o dízimo vale a pena quando vem acompanhado da ética do Reino.

O dízimo não é propriedade de gerência pessoal. O que é isso? Ninguém tem o direito de auto-administrar a parte que Deus deu para outros cuidarem.

O dízimo não é uma oferta alçada de valor auto-sugerido, ou seja, dízimo é 10% do bruto de todo bem que recebemos e nenhuma oferta o substitui.

O dízimo não é uma garantia de sucesso financeiro independentemente de outras qualificações e exigências profissionais. Além da fidelidade na contribuição existe uma coisa chamada sabedoria na administração.

O dízimo não é isenção de provas e lutas e nem faz absolvição de pecados, como se ele garantisse a bênção e a proteção de Deus.

O dízimo enfim não é uma pedra de tropeço nem acréscimo de dificuldade. Ele é uma oportunidade de exercício de fé.


Abra o coração e se feche pra tudo aquilo que o dízimo não é.

Um Chamado Especial?

Creio que todos os que estão em Cristo são ministros do Evangelho, mas há aqueles que têm um chamado específico em relação à Palavra de Cristo e a um sofrer também especial pela Igreja (Cl. 1.24-25).

A Garotinha, Eu e a Bíblia no Hospital

Ontem fui ao hospital visitar uma ovelha e sofremos juntos por ela mesmo e também pela garotinha de seis aninhos, internada com fratura exposta, por causa de um atropelamento.

A tia me permitiu ler a Bíblia e orar, e o coração cortou profundamente quando a garotinha falou sobre o seu carinho e amor pelo pai, pedindo a mim que orasse para Jesus curá-lo. Ela não sabia que seu já havia falecido no dia anterior.

O que dizer além de chorar?

Preferi contar pra ela que o meu avó, que era um paizão pra mim, que dividia o mesmo quarto comigo, adoeceu de repente. Estava num passeio em Valadares e tive que retornar às pressas. Depois de alguns dias de oração e espera, ele faleceu.

Perguntei pra garotinha: "Onde estava Deus naquele momento? Será que ele estava ali pra me ajudar a vencer aquela dificuldade?" Ela respondeu que sim.

Daí entrei com a história de Jó. E serviu também para quem fui visitar. "Nenhum dos planos do Senhor podem ser frustrados." (Jó 42.1) 

E pode ser plano dele passarmos por um vale de sombra e de morte, mas conosco sempre estará ali (Sl. 23 cf. Mt. 28.20).

terça-feira, 23 de julho de 2013

O Pai, o Nome e o Reino!

Hoje em oração chamei pelo "Pai nosso" e percebi que estava num momento de reconhecimento do que é.

Quando disse "santificado seja o seu nome" tive a mesma percepção. O nome dele já é santo...

Mas, quando disse "Venha o teu reino" vi que não se tratava de um reconhecimento apenas. Antes se referia a uma realidade daquilo que precisa acontecer

O Pai já é nosso e o Seu nome já é Santo, mas o seu Reino pode ainda não ser uma realidade dentro de você. Realidade com todas as implicações de sujeição e senhorio de um reino.

Se é o seu caso: não deixe mais a vida te levar... se submeta ao Senhor dos senhores e "seja feita a sua vontade".

Você Consegue Dizer Não?

Já aconteceu com você de estar fazendo uma coisa que sempre gostou de fazer e de repente parar e ir fazer algo mais significativo? Ou simplesmente não estar preso a certos prazeres como já esteve?

Interromper um momento de prazer por algo melhor ou até renunciar algum prazer... acontece quando o nosso coração já não mais está tanto nelas coisas ou quando o nosso coração, ainda que esteja nessas coisas, passa a estar mais em coisas mais elevadas.

Claro que há coisas que não podemos interromper. Precisamos terminá-las antes de querer parar. Uma partida de futebol dá pra parar antes de terminar, mas talvez um pedaço de chocolate não. No caso de um prato de comida antes de precisar parar, porque seria feio deixar, seria bom colocar menos. Um passeio da pra planejar. O sexo... acho que não vou falar porque tem "crianças assistindo".

Futebol, humor, lazer, comida, sexo... são coisas boas e é bom tê-las, mas não podem se torna centrais, senão nos tornamos fanáticos, fanfarrões, preguiçosos, glutões, lascivos... e frustrados.

Seja servo do Evangelho e senhor sobre os seus próprios prazeres.

O espírito da TelexFREE?

Não quero falar da TelexFREE - deixo isso pra quem sabe e falou de um possível golpe bem antes de acontecer (jornalista Luis Nassif). Vou falar apenas do "espírito da TelexFREE" porque pela graça que me foi dada eu conheço o Evangelho e dele me tornei ministro. 

E outra: não vou falar da TelexFREE porque para mim é igual caviar. A diferença é que no caso dela eu mesmo optei em não ter acesso.

Como age esse espírito? Você faz um investimento e ganha com isso. Então o negócio se torna interessante e você aumenta o seu investimento. E a motivação são os testemunhos daqueles que conseguiram multiplicar algumas vezes os seus rendimentos e patrimônio. 

Qual o nome desse espírito? Ainda não matou a charada? 

O enriquecimento se tornou então uma possibilidade. O que o investidor não ganharia trabalhando normalmente, ele passa a ganhar. 

Qual o nome desse espírito? Vamos a mais uma dica.

Então vem aquele sonho de nem precisar mais trabalhar tanto como se trabalhava, ou de não mais se sujeitar a um patrão. E pra aqueles que já são patrões a possibilidade de aumentarem ainda mais o abismo entre a sua realidade a dos seus empregados é maior.

Acho que mais uma dica seria bom: Vou comprar uma casa bem melhor e finalmente vou colocar meus óculos escuros atrás de um volante mais caro e mais raro. Vou desfilar...

Gente boa pode não ser esse, com esses detalhes, o espírito que abocanhou a todos que estão ou estavam na TelexFREE. Sei que tem muita gente que não se envolveu com essa empresa, mas tem o mesmo espírito

Qual o nome dele? AVAREZA que é idolatria (Cl. 3.5).

O que posso falar do Evangelho frente à TelexFREE? Posso falar que o espírito do Evangelho é diferente porque nunca foi e nunca será a acumulação de bens, mas a partilha do pão que é nosso e não apenas meu.

"Não acumulem para vocês tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem, e onde os ladrões arrombam e furtam. Mas acumulem para vocês tesouros nos céus... onde estiver o teu tesouro, aí também estará o seu coração." (Mt. 6.19-21)
 

E a questão do trabalho? É bênção de Deus e de Sua vontade. Sonhar em deixar de trabalhar é contra o caráter das Escrituras.

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Eu Sei Por que Você Tropeça!

Agora há pouco passei por uma sala de aula para chegar no gabinete pastoral. Faria primeiro o meu momento de oração, como de costume. Mas, ao ler o que estava escrito no quadro  resolvi escrever e me questionar. O que estava escrito?

"Aqueles que amam a tua lei tem muita segurança, e não há nada que os faça cair." (Sl. 199.165)

Por que caímos? Por que nos fragilizamos tanto? Por que não é necessário muita coisa para esboroarmos como uma parede feita sem cimento?

Se olharmos para a referência acima, a resposta está na "cara": não amamos a lei do Senhor. E o que melhor pode responder se amamos ou não a lei do Senhor é o nosso investimento em termos de Bíblia.

Quanto tempo diariamente mergulhados na Palavra? Quanta participação semanal em atividades que celebram a Bíblia? Quanto investimento, de valores reais, em recursos como livros e cursos que nos ajudam na compreensão da Palavra?

Se amarmos a lei do Senhor, a própria LEI garante: desfrutaremos de segurança e nada nos fará cair.

Outra coisa que mexeu comigo nessa manhã foi: "nada os fará cair". Nada? Nada. Que segurança! Vale a pena amar a Palavra!

domingo, 21 de julho de 2013

Ansiedade ou Tranquilidade na Adversidade?

É natural a ansiedade em tempos de adversidade. A ansiedade é natural e naturalmente é mais um item que não coopera; atrapalha.

A ansiedade é preocupação. A preocupação é pré-ocupação. Antecipa um possível e suposto sofrimento. Aquilo que pode vir acontecer se torna realidade antes do tempo, mesmo que não aconteceria.

A ansiedade acelera o medo e a insegurança e pode levar ao desespero.

Vale a pena, portanto, ouvir Jesus. Vou parafrasear, ou melhor aplicar o que Ele falou em Mateus capítulo 6: "Não adianta ficar preocupado com os males que podem acontecer amanhã. Se eu não cuidar de vocês, a preocupação não vai resolver. Pelo contrário, vocês ficarão piores e serão piores do que os descrentes. Ou vocês acreditam que eu amo vocês e cuido de vocês como tenho cuidado de plantas sensíveis e até de passarinhos indefesos, ou ficarão fadados as complicações orgânicas e espirituais da ansiedade".

Vamos descansar no Senhor?

O que Realmente Importa?

É natural nos apegar ao que vemos. O que não vemos normalmente fica esquecido. O que vemos e achamos que é a prioridade, o fim último da nossa existência?

Carreira profissional, uma boa previdência, filhos e cônjuge, comunidade, amizades etc.

Deveríamos viver livres, e comprometidos mais com a excelência e a nobreza do servir. Servir deveria ser a nossa prioridade para a glória de Deus. 

Servir como "profissionais-armadores" que não diminuem a excelência por causa do amor.

Servir como pessoas mais experientes que não assumiram a sua aposentadoria como uma liberação do ser útil.

Servir como pais e cônjuges que estão ali para tornar a vida "dos-outros-mais-próximos" melhores.

Servir a comunidade e os amigos como se eles tivessem encontrado um grande privilégio em nos ter. 

"Senhor torna a nossa vida mais comprometida com a excelência e a nobreza do serviço desinteressado, para a Tua glória."

domingo, 14 de julho de 2013

Alegria Com a Conquista dos Outros!

Invejamos quando os outros conquistam coisas que nós gostaríamos de conquistar? O quê?

Casa, carro, filhos, casamento, quilos a menos, aprovação num concurso, viagem, promoção, um elogio etc.

E quando entramos num "joguinho" de mostrar que temos outras coisas também (pra compensar)? Coisas que os outros não têm. 

A situação piora quando usamos a nossa suposta espiritualidade para "dizer" que estamos numa boa.

Espiritualidade não é argumento a favor de nós mesmos e contra os outros. Espiritualidade é dom de Deus para abençoar inclusive aqueles que conquistam coisas que gostaríamos de conquistar.

Aí está a maturidade e então acontece a alegria em agradecer e até mesmo em vibrar porque os outros conquistaram o que também gostaríamos de conquistar.

Somente nesse coração pode haver gratidão ao Senhor pelos outros também.

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Pode Ser a Falta de Oportunidade (Fp. 4.10)

E quando dá aquela sensação de que fomos abandonados ou simplesmente negligenciados? 

Pode ser a falta de oportunidade de um amigo e não a falta do amigo, a falta de oportunidade de um pastor e não a falta de um pastor, a falta de oportunidade de uma pessoa querida e não a própria ausência dela.

Pense nisso. Você pode não estar sozinho. Tem alguém que gostaria da oportunidade de estender as mãos pra você.

NOJO: Uma Bênção Que Nos Livra!

Há pecados que conseguiremos ser livres deles só se sentirmos nojo. Sentir ojeriza não é natural, pois as nossas paixões nos iludem.

Sentir nojo seria repugnância,  abominação,  repúdio, aborrecimento diante do pecado.

Não o nojo pós-pecado, mas aquele nojo prévio que suplanta o prazer.

Como podemos alcançar essa bênção? Somente deixando pulsar em nosso peito o coração de Deus. Somente Ele é Santo, Santo, Santo. Apenas Ele tem um sentimento completo de abominação ao pecado.

Quando estamos em Cristo, temos a mente de Cristo, podemos sentir o que normalmente os homens não sentem. E quando nos sentimos enojados frente algum pecado, nele não vamos cair.

terça-feira, 9 de julho de 2013

Conhecer é Viver

O conhecimento só tem sentido quando nos leva a uma experiência de sabor, toque e mudança. 

Conhecer a Cristo, portanto, implica desfrutar do poder da sua ressurreição bem como participar dos seus sofrimentos (Fp. 3.10-11).





O Efeito Dominó dos Pecados Mais Agressivos

Você já parou pra pensar o quanto a Bíblia fala contra a idolatria, a imoralidade e as injustiças sociais

Por que será que Deus se aborrece muito, e especialmente, contra essas coisas? (Faça um exercício pra comprovar. Leia a Bíblia toda e perceba esse tripé dos pecados mais agressivos).

É simples de entender. Veja como as coisas acontecem: você gasta dinheiro ao participar de orgias sexuais. Essa experiência tira você do foco: a família fica prejudicada. Daqui a pouco o dinheiro se torna necessário para você manter alguns caprichos, então ele será como um "deus" a ser buscado. E quando chega aí é natural a opressão dos desfavorecidos. E Deus? Nem se fala.

Se você quiser um caminho mais sutil é assim: você trabalha, trabalha e trabalha. O dinheiro entra, e então você vê que pode ganhar ainda mais. Os compromissos aumentam. E daí não há tempo suficiente pra família e pra Deus. O cansaço bate. Você precisa "des-estressar". O sexo é um caminho muito possível para esse "relex", ainda que seja virtual. E quem está comprometido até o pescoço consigo mesmo e com seus próprios prazeres não terá tempo e cabeça para se dedicar aos oprimidos. E Deus? Nem se fala.

O que alguns fazem é se enganar. Dão uma cesta básica mensal, ofertam para algum missionário e dá aquela sensação de que estão fazendo o bem, e que por isso, precisam continuar ganhando dinheiro. E esse "fazer o bem" provoca a ilusão de que não se é  tão ruim assim como a sua própria idolatria e imoralidade denunciam.

Talvez por essa consciência divina Tiago afirma: "A religião que Deus, o nosso Pai, aceita como pura e imaculada é esta: cuidar dos órfãos e das viúvas em suas dificuldades e não se deixar corromper pelo mundo." (Tg. 1.27)

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Graça na Lei e "Lei" na Graça

A graça que não merecemos está presente no período que chamamos de Lei, e a "Lei" de Deus está presente em nossa presente era que chamamos de Graça.

A Lei Mosaica definia "olho por olho e dente por dente". Hoje alguns pensam que por não ser mais assim é tudo largado. Como se não houvesse diferença entre quem serve a Deus e que não o teme.

A "Lei" do Senhor enquanto mandamentos básicos e princípios gerais, a partir do Evangelho transformador é o que os discípulos de Jesus precisam viver hoje.

E quem vive assim precisa saber que haverá um dia, o dia em que "Eu agir", diz o Senhor, se mostrará a diferença entre quem serve de verdade e quem não serve. E ficará claro que há diferença sim e recompensa sim para aqueles que O buscam verdadeiramente (Ml. 3.17).

Como você está vivendo? 

Dá Pra Viver Sem Abraço?

Você sabe que dá pra viver sem abraço, mas é melhor viver sendo envolvido por ele.

Dá pra viver comendo besteiras, mas é melhor comer o que se deve comer.

É possível viver uma vida cristã sem leitura diária, sem disciplina de oração e até sem engajamento, mas é muito melhor vivê-la do jeito que precisa ser vivida.

Dá até pra viver sem Deus e sem esperança nesse mundo, porém aqueles que depois de não tê-los os encontrou, sabem que é incomparavelmente melhor viver com a Presença e a Esperança.

E então? Você está vivendo o melhor de Deus?

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Viúva de Marido Vivo?

Conheço algumas viúvas de maridos vivos. É triste ter um homem e não tê-lo ao mesmo tempo. 

Não estou a me referir a algum homem incapacitado por circunstâncias de saúde. Esses precisam ser cuidados e por mais que a luta de suas esposas seja intensa e difícil, há o consolo de que se houvesse saúde as coisas poderiam ser diferentes.


Pior ainda é quando há saúde, mas o marido é insensível. Não nota e não fala das coisas virtudes dela. Está presente de corpo, mas não toma atitude na educação dos filhos. É negligente. Deixa tudo pra esposa.


As coisas podem se agravar se for um homem de atitude apenas na cama. Nesse caso a "viúva" se sente ainda mais ferida. Por quê? Porque o vê apenas como egoísta e não como alguém que deseja compartilhar e celebrar o amor.


Mulheres viúvas de maridos vivos costumam ter uma esperança e um consolo. 


O consolo é que ouvem: "Pois o seu Criador é o seu marido, o Senhor dos Exércitos é o seu nome, o Santo de Israel é o seu Redentor..." (Is. 54.5). 


E a esperança? Normalmente é de que o marido morra o quanto antes, ou quem sabe sejam transformados. Esse costuma ser o sentimento.


Homem que lê agora: 


Quais as circunstâncias em que você está "enviuvando" a sua esposa? Seja homem de verdade!


"...maridos, sejam sábios no convívio com suas mulheres e tratem-nas com honra, como parte mais frágil e co-herdeiras do dom da graça da vida, de forma que não sejam interrompidas as suas orações." (1 Pe. 3.7)


“O marido deve cumprir os deveres conjugais para com a sua mulher...” (1 Co. 7.3).


Menino-Homem, Homem-Menino

Encontrei um menino que tinha cabeça de homem. As circunstâncias de sua vida o enrijeceram.  Ele aprendeu a não desperdiçar, a tratar as mulheres com respeito, a pensar bem antes de agir. E o Evangelho completou a obra: ele amadureceu porque passou a olhar as coisas como Deus vê.

Ele pode dizer: "Quando eu era menino..." (1 Co. 13.11)

Mas, outro dia eu conheci um "homem-menino" porque as circunstâncias da vida o provocaram a uma leviandade impressionante. Hoje ele tem mais de 50 anos e age como um adolescente desvairado. Impulsividade, ignorância, insensibilidade, gastão, descontrolado em tudo.

O que vi naquele homem de verdade e nesse bicho-homem?

As circunstâncias foram o pretexto para os dois. Mas, a reação e o Evangelho fizeram toda diferença.

Como você tem reagido? Qual a diferença do Evangelho em sua vida?

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Amor com Conhecimento e Percepção

Amor é... emoção e também razão, paixão e planejamento, alegria e tristeza, atitude e espera...

Amor é um sentimento/ação completo. Ele não pertence somente ao mundo do coração.

O amor acompanhado de conhecimento e percepção se torna maduro para não ser impulsivo nem ingênuo. 

O conhecimento e a percepção qualifica o amor a discernir o que é melhor (Fp. 1.9-11). E o melhor pode ferir os nossos sentimentos momentaneamente. 

Ame com sabedoria!

Até Aqui Nos Ajudou o Senhor!

Você pode dizer hoje como Samuel? Ele disse: "Ebenézer" - expressão da língua hebraica que significa: "Até aqui nos ajudou o Senhor!" (1 Sm. 7.12)

Quando Samuel disse "Ebenézer"? Foi depois que a arca, símbolo da Presença vitoriosa de Deus entre povo, retornou a Israel. 

Gente a história é linda! Não foi simplesmente a presença da arca, mas foi acima de tudo a presença daquilo que a arca simbolizava: a própria Presença do Senhor.

Essa Presença provocou no povo temor, arrependimento e confissão. Produziu também intercessão sacerdotal quando o povo estava com medo. E finalmente o fruto: um poderoso estrondo que perturbou os filisteus. Eles saíram fugidos com medo, e os israelitas os alcançaram e os derrotaram.

Samuel olhou pra tudo o que aconteceu e chegou a uma conclusão óbvia, mas que não é muito comum por causa do orgulho: "Até aqui nos ajudou o Senhor!"

Pude olhar pra trás nessa manhã de oração e dizer: "Até aqui nos ajudou o Senhor!" Revisitei a minha história por 12 anos. O que vi? Sustento, livramento, provisão, providência, bondade, ajuda, conquista etc.

Como não dizer "até aqui nos ajudou o Senhor" com um filho de 10 anos, uma filha de 07 anos e o último fazendo o seu 1o ano? Como não reconhecer a Presença num casamento que completa esse mês 12 anos? Como não me prostrar diante do Senhor e não enxergar o cuidado do Senhor sobre o povo, mês a mês, durante tantos anos?

"Olhe pra trás", revisite a sua história... e em meio as lutas veja a boa e cuidadosa Presença, que sustenta.

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Igreja: Encontro dos Vulneráveis!

O que é o ajuntamento da Igreja? Muitas metáforas boas: povo, noiva, lavoura, edifício... Curiosidade: todas essas figuras trazem suas dificuldades. 

O povo acolhe para a coletividade o indivíduo. Concede-lhe uma senso de pertencer. Mas, também pode sufocá-lo ou simplesmente ignorar a individualidade. 

A noiva traz a beleza, o encanto, a pureza, mas também os desafios da preparação e até a dor de uma transição para o novo lar.

A lavoura tem seus frutos e também seus espinhos e bichinhos. 

O edifício é imponente e firme, mas também trabalhoso demais a sua construção.

O que é a Igreja então? Linda e não-pronta

É o encontro daqueles que trazem no peito, junto com a esperança da glória, ao mesmo tempo, "os maus pensamentos, as imoralidades sexuais, os roubos, os homicídios, os adultérios, as cobiças, as maldades, o engano, a devassidão, a inveja, a calúnia, a arrogância e a insensatez. Todos esses males vêm de dentro e tornam o homem impuro." (Mc. 7.21-23)

O quê? Onde a transformação? Jesus nesse texto não descarta uma vida transformada, mas afirma a inclinação para o mal.

Então Igreja é o encontro dos vulneráveis que não podem atirar a primeira pedra; ninguém. E que nem por isso têm o direito de dar ocasião à carne.

A Graça Didática e Preventiva

A graça de Deus é suficiente pra transformar toda uma vida. Transformar mesmo. Completamente. 

Vemos essa graça na vida de filhos que tomaram um rumo totalmente diferente dos pais e de toda a família. Hoje vivem a dignidade do Evangelho.

Então os pais poderiam viver levianamente esperando por essa graça transformadora na vida dos filhos? Não deveriam.

Quem garante a graça? Apenas o Deus de toda graça. E ele tem misericórdia de quem ele mesmo quiser.

Mas, há uma boa notícia aos pais: eles podem desfrutar da graça didática e não apenas a possibilidade da graça transformadora. A graça didática é aquela que usa os pais para inculcar nos filhos o Evangelho, preventivamente, para que eles não precisem da possibilidade de um milagre transformador lá no futuro.

A graça de Deus transforma o pecador, mas pode ensiná-lo antes que se afunde no pecado. E os pais são instrumentos dessa graça.

E aí pai e mãe? Você tem sido um instrumento da graça didática e preventiva? Ou prefere ficar chorando amanhã pela graça transformadora?

"Porque a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens. Ela nos ensina a renunciar à impiedade e às paixões mundanas e a viver de maneira sensata, justa e piedosa nesta era presente, enquanto aguardamos a bendita esperança: a gloriosa manifestação de nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo." (Tt. 2.11-13)

terça-feira, 2 de julho de 2013

Contra Quem Você Está Lutando?

Pena que nos esquecemos. As ciladas armadas contra nós primeiramente vem do maligno. É natural que tenha a instrumentalidade de algumas "pessoinhas", mas originalmente os ataques que sofremos acontecem nas regiões celestiais (Ef. 6.12).


Que bom que é nas regiões celestiais e não nas regiões infernais. As regiões celestiais é o lugar daqueles que estão assentados com Cristo (Ef. 1.3). É o lugar de bênçãos espirituais. 

O que ocorre é que os principados e potestades querem desestabilizar a nossa paz em Cristo, própria desse lugar que nos pertence.

As regiões celestiais não pertencem ao diabo e aos seus demônios, por isso, lançam dardos inflamados contra nós, os quais apagamos com o escudo da fé (Ef. 6.16).

Dardos que podem atingir o nosso coração e outros órgãos vitais, e por isso precisamos do cinto da verdade e da couraça da justiça (Ef. 6.14).

Dardos que podem atingir a nossa caminhada, e por isso, necessitamos calçar os nossos pés na preparação do Evangelho (Ef. 6.15).

Dardos com fogo nas pontas (como eram naquele contexto bélico) que podem nos amedrontar, e que por isso, devemos reagir com ousadia para não ficarmos apenas na defensiva, mas também contra-atacarmos com a espada da Palavra (Ef. 6.17-18).

E então? Você está preparado contra os ataques diários e constantes do diabo? 

segunda-feira, 1 de julho de 2013

O Brasil é Campeão? Campeão de...

É tetra, é tetra, é tetra... E campeão absoluto em que mais? Não vem que não tem. O Brasil é demais. 

Ele é demais em corrupção... Aliás se encontra na lista dos países mais corruptos do mundo.

Sabe o que isso significa? 

Menos leite para as crianças, qualidade de merenda inferior, condições precárias nos hospitais, pouca valorização dos professores.

O que será do Brasil quando gritarmos "é campeão" mais algumas vezes? 

O que será da nossa nação com esse paternalismo todo? Milhares de pessoas não querem mais trabalhar porque ganham "muito bem" com o bolsa família e então não precisam mais ser "escravos" da enxada. 

Gente o "cabo da enxada" trouxe dignidade para os meus avós e para os meus pais. Eles não empobreceram por isso, mas aprenderam a lutar e conquistar com decência. 

O que estamos fazendo?

Tá! Brasssiiilllll. E daí? O que mudou com esse título?

E tem mais uma coisa: tem gente que é só brasileiro no futebol, mas não ama o Brasil nação, grita "Brasil", mas não ora pela nação. Critica o governo sem apoiá-lo na intercessão.

Chega de sermos só a pátria de chuteiras. Gostaríamos de ser campeões na Educação e na Saúde. 

Pequei Mais Uma Vez! E agora?

Você já se repetiu ou ainda insiste numa mesma fraqueza? Ainda que não queira e se esforce pra ser diferente lá está ela: "de novo, de novo".

O que você faz? Confessa e segue a vida? E quando mais uma vez você faz tudo novamente?

Dá uma sensação de que o sangue de Jesus não é suficiente? Lá em seu íntimo você reconhece que merece ser punido? 

O problema fica maior ainda quando a sensação de merecimento de punição diminui a obra vicária de Cristo. Como assim?

Ouvimos e cremos que ele é a propiciação pelos nossos pecados como um advogado de defesa que assume a causa de quem cometeu um crime, mas que ainda assim merece uma nova chance. Também ouvimos e cremos que se confessarmos os nossos pecados ele é fiel e justo para nos purificar de todo pecado e injustiça (1 Jo. 1.9, 2.1). E apesar dessas promessas valorizamos demais o tamanho dos nossos pecados ou as nossas fraquezas como se eles sobrepujassem a Graça.

E então, o que estamos buscando? Assumir uma punição que Jesus já levou sobre ele mesmo por nós?

Ou confiamos na suficiência do sangue de Jesus e da graça redentora ou vamos viver na fragilidade da nossa própria justiça. Ou confessamos os nossos pecados e seguimos a vida ou vamos ficar choramingando pelos cantos a graça que o nosso orgulho rejeitou.

Somente quem confessa não apenas o pecado que cometeu, mas a fragilidade e a possibilidade de novamente cometê-lo é que terá a esperança de ser alcançado pelo Deus refinador e purificador que transforma vidas (Ml. 3.2-5).